Os sistemas IoT

... consistem essencialmente em três partes.

  1. o aparelho inteligente em si mesmo e que é capaz de comunicar via um protocolo pré definido com ou sem um sistema operativo;
  2. um serviço remoto providenciado pelo fabricante do aparelho; o aparelho comunica com o prestador de serviço de modo a recolher informação sobre o estado de funcionamento permitindo ao utilizador controla-lo e usá-lo;
  3. uma aplicação remota que corre num aparelho móvel e que permite ao utilizador interagir e controlar o aparelho mesmo que não esteja perto dele.

Um proposta em linha com as ideias da Free Software Foudation e que garanta a liberdade de quem usará, ou já usa, estes aparelhos em casa:

  1. que o protocolo de comunicação e a documentação seja implementada sob uma licença aberta (Creative Commons) em vez da habitual protecção por patente;
  2. o dono do aparelho deve poder substituir o software com outras implementações feitas por ele ou por outros de modo a prevenir abusos de posição e dependência de um único vendedor, evitando falhas de serviço e garantindo a sua liberdade;
  3. toda a cadeia de software deve ser implementada em software livre, tornando mais simples a investigação e correcção de bugs, a manutenção da privacidade individual, e permitindo que outros possam providenciar implementações alternativas. Tudo isto permitirá aos utilizadores garantir o controlo do aparelho à medida que estes aparelhos são integrados em nossas casas.

Simples.

Criado/Created: 23-06-2019 [16:24]

Última actualização/Last updated: 19-07-2019 [12:12]


Voltar à página inicial.


GNU/Emacs Creative Commons License

(c) Tiago Charters de Azevedo