Preferências

Metáforas ou

A construção de poemas aleatórios tem, ao contrário da prosa, uma boa aceitação. Uma das razões está relacionada com o facto de os algoritmos que os geram produzirem textos com uma fraca conectividade semântica. Como é atribuída ao poeta a autorização de quebrar algumas regras somos naturalmente levados a interpretar o texto como se as regras quebradas fossem poesia e não a outra coisa que são. Aceitamos melhor a metáfora como alternativa ao sem-sentido. Ainda bem.

P. S.

Acreditem ou não, isto foi escrito ao som do Concerto Suite para guitarra eléctrica e orquestra em Mi menor op. 1 de Yngwie Malmsteen. Lembra qualquer coisa de JSBach, mas ainda não descobri o quê!?

Palavras chave/keywords: poemas aleatórios, Lisp, Bach, Malmsteen

Última actualização/Last updated: 2014-02-20 [14:38]


1999-2014 (ç) Tiago Charters de Azevedo

São permitidas cópias textuais parciais/integrais em qualquer meio com/sem alterações desde que se mantenha este aviso.

Verbatim copying and redistribution of this entire page are permitted provided this notice is preserved.